Plano Safra: Entenda porque lideranças pedem 36 bilhões

Plano Safra: Entenda porque lideranças pedem 36 bilhões

O cenário agro econômico brasileiro está em constante movimento, influenciando muitos fatores, desde políticas governamentais até mudanças climáticas. A atenção tem se voltado a esse setor, principalmente após a revelação que os investimentos podem aumentar no próximo ciclo. 

De acordo com dados da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas (CSMIA) da Abimaq, os valores atingidos podem atingir 116% a mais do que os previstos para o ciclo anterior. Esse aumento de R$36 bilhões significa estabilidade à indústria nacional. 

Um outro programa chamado Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras (Moderfrota) tem recebido um aporte de 26 bilhões. 

Essa demanda de recursos tem como objetivo manter o crescimento e a lucratividade desse setor, por meio da atualização e compra de novas máquinas agrícolas. A projeção para as vendas do ano de 2024 é de 15%, devido a desvalorização de commodities e questões climáticas, por isso é necessário garantir acesso a linhas de créditos com juros mais acessíveis e com um maior prazo. 

A discussão sobre essas taxas é muito necessária, pois cortar impostos demais poderia reduzir o dinheiro disponível, prejudicando os investimentos necessários no setor.

O Plano Safra, que é aguardado com expectativa todos os anos, tem um anúncio previsto para o período entre maio e junho, e é esperado que o governo federal destine recursos significativos para o setor agropecuário. 

Enquanto aguardam o novo Plano Safra, várias entidades diferentes apresentam suas propostas, cada uma com suas demandas e expectativas. A Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), por exemplo, juntamente com outros sindicatos rurais, propôs um montante total de R$568 bilhões para 2024/2025, com taxas de juros mais baixas, em torno de 9%.

Por que você deve estar atento?

  • O fato dos investimentos destinados ao setor agropecuário aumentarem em até 116% em relação ao ciclo anterior é uma informação muito relevante, visto que significa que há uma disponibilidade potencial de recursos financeiros adicionais que podem ser utilizados para modernizar e expandir operações. 
  • A necessidade de mais recursos para reduzir a dependência dos bancos é um ponto relevante para os empresários do agronegócio, já que se houver uma ampliação das linhas de crédito do governo federal, com taxas de juros mais baixas, os empresários terão acesso a fontes de financiamento mais acessíveis e poderão reduzir os custos financeiros.
  • A busca por maior estabilidade nas vendas das indústrias brasileiras ao longo do ano é fundamental para os empresários do agronegócio, pois estas permitem planejar suas atividades com mais segurança.
  •  Se os investimentos no setor forem ampliados, isso pode contribuir para uma demanda mais consistente por máquinas agrícolas e implementos, beneficiando diretamente os empresários que atuam nesse segmento. 
WhatsApp
Telegram
Facebook
LinkedIn

Entre em contato com a Lobe Consultoria

Blog